Galo faz 2 a 0 com torcida única no Independência no primeiro duelo da final t> Visite-nos no Google+
noticias
http://paracatunews.com.br
loading
13/11/2014, 08:12:21
cb0097b3260d73a1d85b73bd8c4f6399.jpg
Galo faz 2 a 0 com torcida única no Independência no primeiro duelo da final
Vitória do Atlético por 2 a 0 no Cruzeiro complica situação dos celestes, que agora contam com a força do Mineirão para reverter o placar

E a história começou a ser escrita diante dos nossos olhos. O ato inicial do espetáculo, que teve como anfiteatro o místico Horto, foi encerrado com festa por parte do lado alvinegro. Atuando diante de sua torcida, o Atlético fez valer seu retrospecto no Independência para triunfar diante do rival Cruzeiro por 2 a 0, nesta quarta-feira, e sair à frente na briga pelo inédito título da Copa do Brasil.

Agora, o encerramento deste encontro épico terá como palco o Mineirão, a maior casa do futebol na terra das Alterosas. O Galo leva consigo a vantagem, e o Cruzeiro terá que inverter o resultado para ser pentacampeão diante de sua torcida. O que será que o destino reserva para o "grand finale"?

O início da partida desta quarta-feira foi quente, honrando às tradições de décadas do dérbi. O duelo se restringia à muita disputa pelo meio-campo e tentativas de avanço pelas pontas. E foi justamente pelo lado direito alvinegro que saiu o primeiro tento.

Aos 8 min, Marcos Rocha levou a melhor sobre o paraguaio Samudio e cruzou na medida para Luan. Ligeiramente impedido, o atacante cabeceou e venceu o goleiro Fábio. A arbitragem validou o lance, para a alegria da Massa

O duelo prosseguiu bastante disputado e mesmo com o gol sofrido, a Raposa era astuta. A tática era povoar o meio e puxar as jogadas ofensivas nas individualidades. Bem marcado, Everton Ribeiro sofria para municiar o ataque, bastante concentrado em Moreno e com peças como Goulart fora de sintonia.

Em determinado momento, o desenho mostrava um Cruzeiro técnico, buscando a saída, contra um Atlético aguerrido, que mesmo errando passes, assustava e era mais objetivo. O equilíbrio se seguiu até o fim da etapa inicial, uma disputa de alto nível com apenas 11 faltas.

Para a segunda etapa, Marcelo Oliveira resolveu sacar Lucas Silva. Com Nilton recompondo o meio, a expectativa era de um Cruzeiro mais brigador. O que não mudava era o passe final, este sim, longe da perfeição.

Nestas horas que a velha máxima do futebol pesa e a bola pune. O segundo gol saiu aos 13 min, de novo por intermédio de Marcos Rocha. O camisa dois mandou o lateral lá na área celeste. Carlos ajeitou e Dátolo fuzilou Fábio.

A Raposa foi para o abafa, mas na base de uma pressão concentrada em bolas alçadas à área. Mas o placar favorável ficou mesmo com o Galo, que se aproxima de uma conquista histórica. 

Foto: Denilton Dias/O tempo