MPF e MPE pressiona mineradora para a reparação de danos após rompimento de barragens em Mariana,MG Visite-nos no Google+
noticias
http://paracatunews.com.br
loading
13/11/2015, 16:36:52
ac11cb1a215663be74392f6a7c771a68.jpg
MPF e MPE pressiona mineradora para a reparação de danos após rompimento de barragens em Mariana,MG
Procurador da República José Adércio, deu prazo de 72h à Samarco para apresentar planos e medidas para recuperação dos danos já causados.

 

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Estado de Minas uniram forças para a investigação sobre os danos sociais e ambientais causados pelo rompimento das barragens  de Fundão e Santarém, da mineradora Samarco, na cidade de Mariana em Minas Gerais. Os esforços conjuntos vão se concentrar na responsabilização pelos danos e na apuração sobre os órgãos responsáveis pela fiscalização do empreendimento. A força-tarefa reúne procuradores e promotores dos municípios atingidos e da capital, Belo Horizonte. 

O órgão responsável pelo licenciamento das barragens da Samarco, a Semad (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável), bem como o Departamento Nacional de Produção Mineral já foram questionados na investigação. O DNPM tem obrigação legal de fiscalizar barragens de rejeitos no país. Os dois órgãos terão que prestar informações sobre o desastre que começou no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana e já atinge dois estados, Minas e Espírito Santo, deixando até agora quatro mortos e 25 desaparecidos, pelos números oficiais da Defesa Civil de Minas. 

Os Impactos 

Calcula-se que a lama contamine o rio Doce numa extensão de 500 km, comprometendo o fornecimento de água para dezenas de cidades e comunidades que dependem do rio nos dois estados afetados. A extensão e magnitude dos danos ainda vai demorar para ser conhecida, mas o desastre já é considerado a maior catástrofe ambiental do país.


Em todos os municípios serão abertos inquéritos para acompanhar os impactos localmente. MPF e MP já requisitaram à Semad todos os documentos relativos ao licenciamento das barragens que romperam. Os questionamentos dirigidos ao DNPM tratam da classificação de risco das barragens Fundão e Santarém e especialmente, se existir, o plano de ações emergenciais apresentado pela Samarco. 

A própria Samarco e a Vale S.A serão investigadas também. Imediatamente, a Samarco deverá enviar laudos de auditoria referentes à estabilidade física e hidráulica das estruturas das barragens. E Vale deve fornecer os atos constitutivos da joint venture com a BHP Billinton que formou a Samarco. 

Ao lado das investigações de natureza cível, foi requisitada pelo MPF a abertura de inquérito pela Polícia Federal, que deve ficar centralizado em Belo Horizonte, para apurar as circunstâncias da catástrofe e os possíveis crimes ambientais decorrentes.

Além das investigações conjuntas, o procurador da República José Adércio Leite Sampaio, responsável pelo inquérito na capital, deu prazo de 72h à Samarco para apresentar plano de contingenciamento dos dejetos e medidas para recuperação dos danos já causados. 

O MPF também solicitou apoio da Procuradoria Geral de República em Brasília para contar com a equipe de peritos da 4ª Câmara de Coordenação e Revisão, responsável pela área ambiental, além da contratação de empresa especializada para ajudar a apurar todos os danos sociais e ambientais causados pelo desastre.

 

Com: Ministério Público Federal

Paulo Sérgio/Paracatunews

Foto:Leonardo Merçon/Instituto Últimos Refúgios/Divulgação