Brasil tem terceiro pior crescimento econômico do G20 em 2014 t> Visite-nos no Google+
noticias
http://paracatunews.com.br
loading
28/03/2015, 08:28:02
dfb2f6fb12323f1a4bc7b65f3f5c3829.jpg
Brasil tem terceiro pior crescimento econômico do G20 em 2014

A economia brasileira teve um dos piores desempenhos entre os países mais industrializados do mundo em 2014. A confirmação pelo IBGE de que o Produto Interno Bruto brasileiro no ano passado cresceu apenas 0,1% determinou que, numa comparação com os outros 19 países do G20, apenas Itália e Japão apresentam resultados piores que o brasileiro no período.

Em 2014, a combalida economia italiana registrou encolhimento de 0,4%, ao passo que o Japão teve crescimento zero.

O desempenho brasileiro foi também ruim numa comparação com os países do grupo Brics - as maiores economias emergentes do mundo. A China cresceu 7,4%, a Índia, 7,2%. Mesmo com o impacto da queda do preço do petróleo em sua economia, a Rússia tem crescimento projetado de 0,3% (o país ainda não divulgou seus resultados para 2014).

Piora

No geral, os resultados dos países do G20 mostraram tendências de crescimento, com as principais economias da Europa apresentando recuperação. A Alemanha, depois de crescer 0,1% em 2013, pulou para 1,6% no ano passado.

O Reino Unido saltou de 1,7% para 2,6%. No geral a União Europeia teve crescimento de 1,3%, que cai para 0,9% quando apenas os países que adotam o euro como moeda são levados em consideração.

Entre as quedas acentuadas está a Argentina: cresceu 2,9% em 2013, ritmo quase seis vezes maior que o índice de 0,5% apresentado para 2014. Mas o outro integrante do G20 na América Latina, o México, teve um desempenho mais positivo: crescimento de 2,1% depois de apresentar 1,4% em 2013.

Nos últimos meses, diversos organismos internacionais, incluindo o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), tinham revisado para baixo suas projeções para o crescimento da economia brasileira.

Analistas internacionais basearam suas estimativas em fatores que variaram da queda no preço do petróleo, passando pela redução de demanda da China, o principal parceiro comercial do Brasil.

"Espera-se que a economia dos países latino-americanos deteriore mais em 2015 e a fragilidades financeiras cresçam. O Brasil terá o desafio de lidar com os desequilíbrios macroeconômicos e com os excessos de políticas que levaram a um situação de baixo crescimento e inflação em alta. A dinâmica de ajustes provavelmente durará até 2016", explica Alberto Ramos, chefe da Divisão de América Latina do fundo de investimentos Goldman Sachs.

Uma projeção com que as autoridades brasileiras não parecem discordar muito. Esta semana, o Banco Central estimou uma contração de 0,5% na economia brasileira em 2015.

BBC BRASIL